Marchinhas do coração

Tiraram o coração da minha sogra

Botaram o coração no jacaré

Sabe o que aconteceu? 

A velha se mandou e o jacaré morreu

Não pulo Carnaval desde os 18 anos e desde então sofro todo ano de frustração por não ter mais companhia, nem lugar, nem ânimo. Digo que amo Carnaval, mas na verdade meus carnavais foram os de clube do interior, de ficar rodando na panela de pressão de gente com a banda tocando marchinhas. Na adolescência, acompanhada das primas de fora que tinham carros e caronas, as noites de folia eram divididas em três clubes e em blocos. Era bom. Os mais novos nem bebiam, os mais velhos que deviam cuidar dos mais novos bebiam muito, sem contar o cheirinho da loló feito nos fundos de casa. Outros tempos.

Éééé Ô pois é, coitado do jacaré

Hoje é certeza que eu não aguentaria subir as ladeiras de Olinda, virar a noite na plateia da Sapucaí ou usar uma fantasia diferente pra cada bloco no Rio (alguns sonhos).

Como é que é? É, Ô pois é, coitado do jacaré

Mas nem sei explicar o quanto eu amo as marchinhas de carnaval. Entendo a problematização daquelas que foram recentemente descobertas/denunciadas como racistas, xenófobas, homofóbicas. Algumas foram ressignificadas, ainda bem – caso da Maria Sapatão, me parece. No Facebook li a polêmica sobre “mas como a cor não pega, mulata, eu quero teu amor” e por mais que mil estudiosos digam que não era racistas, acabou virando e pronto, melhor não tocar.

Doutor, eu não me engano

Tentei achar a data de criação das minhas duas marchinhas preferidas e não consegui encontrar. Ambas têm o mesmo tema totalmente esdrúxulo: o primeiro transplante cardíaco do mundo. Sei disso por ter pesquisado em jornais da época (1967), na Biblioteca Pública, muito tempo atrás.

Meu coração é corinthiano

Coração da Sogra e Coração do Jacaré são os bisavós dos carnavalescos que saem nos blocos, hoje, vestidos de Muro do Trump, Dória Pintando o Muro ou Mônica Desenhada em Muro de Escola Infantil (coincidência tanto muro nesse ano).

Eu não sabia mais o que fazer

Troquei meu coração cansado de sofrer

Hoje, entre a Zombie Walk e o Carnaval de clube com as amigas, a Nina optou pelo segundo.

Ah doutor eu não me engano.

botaram outro coração corinthiano.

 

Anúncios

Um comentário sobre “Marchinhas do coração

  1. Adorei ‘panela de pressão de gente’. Desde o início da vida adulta que também não tenho paciência para carnavais (nem fôlego, provavelmente). Mas sou muito fã do feriado. 🙂

Oi!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s